Mapa da Cachaça

A Paratiana e o turismo da cachaça: Mata Atlântica, gastronomia, cultura e história da cachaça de Paraty

  • Publicado 1 semana atrás

Apresentando:

Visitar o alambique da cachaça Paratiana é mais do que explorar o processo de produção da cachaça; é descobrir um patrimônio que entrelaça história, natureza e gastronomia.

Quando se pensa em Paraty, é quase automático evocar as imagens de sua arquitetura colonial bem preservada, as tranquilas águas azuis e, claro, a famosa cachaça artesanal que é parte essencial da cultura local. Dentro deste contexto, o alambique da cachaça Paratiana surge como um destino imperdível para os amantes da boa bebida.

Paratiana, no coração da Mata Atlântica

Situado no coração da Mata Atlântica, o alambique da Paratiana leva consigo uma história que começa em 1996, quando o então prefeito de Paraty, Carlos José Gama Miranda – conhecido carinhosamente como Casé – e o príncipe d. João de Orleans e Bragança, descendente da família real brasileira, se lançaram na produção da cachaça Maré Alta. Após o término dessa parceria, em 2003, Casé e seu irmão, Paulo Eduardo, deram início ao projeto do alambique no bairro da Pedra Branca, onde começaram a produzir a cachaça Paratiana.

As motivações de Casé para batizar sua cachaça foram homenagear Paraty, cidade na qual já foi eleito prefeito, e também sua esposa, Ana Bueno, chef e proprietária do restaurante Banana da Terra, localizado no centro histórico da cidade e do recém inaugurado Casa Paratiana, localizado ao lado da destilaria. Casé brinca que chegou em casa com uma garrafa da cachaça e disse: “Para ti, Ana”.

Um destino turístico para os apreciadores de cachaça

O alambique Paratiana não só criou uma cachaça em homenagem à cidade e à esposa de Casé, mas também estabeleceu um dos destinos turísticos mais completos de Paraty. Com um tour guiado pela produção, os visitantes têm a oportunidade de mergulhar no processo artesanal que envolve canas moídas por uma roda d´água, a destilação nos tradicionais alambiques de cobre, o armazenamento em barricas de madeiras tradicionais da região, como o jequitibá e o carvalho, e mais recentemente, devido demanda dos turistas, em madeiras pouco convencionais em Paraty, como o bálsamo e a amburana.

Uma experiência gastronômica caipira em terras caiçaras

A visita ao alambique se torna ainda mais especial com a introdução da Casa Paratiana, criada pela chef Ana Bueno. Com pratos que homenageiam a culinária caipira, como o porco na lata e o saboroso cuzcuz de frango, o espaço convida a um paladar repleto de tradição.

Se o restaurante Banana da Terra é uma ode aos pratos típicos da culinária caiçara, reinterpretados com um olhar contemporâneo, a Casa Paratiana revela a influência caipira na gastronomia local. Paraty esteve na rota dos tropeiros que percorriam o Caminho do Ouro, uma estrada vital para o transporte de ouro e outros bens entre os séculos XVIII e XIX. Esses tropeiros, oriundos de regiões do interior, especialmente de Minas Gerais, trouxeram consigo suas tradições culinárias caipiras. A interação dessas culturas resultou em pratos robustos e nutritivos, feitos com ingredientes que eram fáceis de transportar e conservar, tais como feijões, carnes salgadas e farinhas.

Quem se sentar para apreciar as receitas de Ana Bueno no Casa Paratiana, além de desfrutar dos coquetéis à base da cachaça produzida no alambique vizinho, não pode deixar de experimentar a cerveja Gabriela. Esta Strong Ale, produzida para celebrar os 20 anos da destilaria, tem notas de cravo e canela e captura perfeitamente a essência da aguardente homônima que já é tradição em Paraty, a Gabriela Cravo e Canela.

Museu da Cachaça em Paraty

O turismo na Paratiana é complementado com um museu, localizado acima do restaurante Casa Paratiana, onde a história da cachaça é contada e celebrada por milhares de rótulos. Este espaço serve não apenas como um grande acervo de rótulos, mas também como um testemunho da importância da bebida na construção cultural do Brasil.

Com mais de 4.000 rótulos raros, históricos ou exclusivos, o visitante é convidado a uma viagem única pela tradição brasileira de produzir cachaça há séculos. Uma visita guiada pelo museu proporciona um encontro direto com a história singular que só o Brasil pode contar ao mundo, que teve em Paraty um dos seus primeiros berços.

Com mais de 100 mil turistas esperados anualmente, a Paratiana prova que Paraty é, de fato, um destino que combina história, cultura, gastronomia e a magia líquida da cachaça de alambique.

Coleções

Uma seleção dos melhores artigos do Mapa da Cachaça em diferentes tópicos

Produção de cachaça

30 artigos

Envelhecimento de cachaça

15 artigos

História da cachaça

12 artigos

Como degustar cachaça

18 artigos

Coquetéis clássicos

14 artigos

Cachaça e Saúde

7 artigos

Parceiros